Responsabilidade social: Uma necessidade, não um favor

Primeiramente, responsabilidade social é tudo que uma pessoa física ou jurídica pode fazer para que o mundo seja melhor. Então, se engana quem pensa que são só os atos que grandes empresas fazem. O que você faz com o seu lixo ou o xixi do seu cachorro também fazem parte desta causa.

Porém, a responsabilidade social ficou mais reconhecida nas empresas devido às ações da ONU depois da primeira guerra mundial. Mais especificamente, com a fundação da OIT (Organização Internacional do Trabalho)

 

 

Segundo o site da organização: 

Na primeira Conferência Internacional do Trabalho, realizada em 1919, a OIT adotou seis convenções. A primeira delas respondia a uma das principais reivindicações do movimento sindical e operário do final do século XIX e começo do século XX: a limitação da jornada de trabalho a 8 horas diárias e 48 horas semanais”. 

Assim, podemos ver que a organização foi a primeira a colocar a responsabilidade social nas empresas e requerer direitos aos trabalhadores. Mas,  com o passar dos anos, as responsabilidades foram aumentando. Além disso, trabalhadores e empresas também começaram a cumprir normas ligadas às questões ambientais e sociais.

Responsabilidade social nas empresas

Então, a responsabilidade social empresarial é, basicamente, dividida em 3 esferas: Corporativa, Empresarial e Ambiental. As duas primeiras dizem respeito às ações das empresas com seus funcionários e a sociedade que estão inseridas. Porém, a ambiental ,visa o quanto a empresa se preocupa com o bem-estar do nosso planeta.

 

Responsabilidade social

 

1-) RSC (Responsabilidade Social Corporativa)

 

Ela representa a responsabilidade social da empresa com o seu corpo de funcionários. Assim, a ideia é que todos tenham condições de trabalho dignas e humanas. Além disso, ela trata de cuidar da qualidade de vida de seus familiares e da sociedade.

 

 

Assim sendo, um bom plano de saúde para os seus funcionários e familiares é um exemplo de responsabilidade social corporativa. Isso porque, com ele, a empresa está ajudando e colaborando para o bem-estar do funcionário, de sua família e, em paralelo, da comunidade como um todo.

 

2-) RSE (Responsabilidade Social Empresarial)

Ela é muito parecida com a responsabilidade corporativa; porém, tem uma amplitude maior de atuação. Além de colaborar com os funcionários e familiares, a responsabilidade empresarial visa ajudar, também, a comunidade que a empresa está inserida e seus stakeholders.

Como exemplo disso, temos o coronavírus. Por isso, empresas como a Ambev – que usaram o seu álcool para produzir álcool gel para a comunidade -,  são um exemplo de responsabilidade social empresarial. Nesse sentido, além de colaborar com seus funcionários, também ajudaram no combate de uma pandemia que afeta o mundo.

 

  3-) RSA (Responsabilidade Socioambiental)

 

Agora, temos um assunto que mudou a discussão sobre responsabilidade social empresarial e individual. Depois das conquistas para os trabalhadores, surgiu, nos movimentos políticos e sociais dos anos 60, a necessidade das empresas cumprirem com normas e regras para manter o nosso planeta “vivo”.

Além disso, as questões ambientais começaram a ser debatidas junto com o surgimento de ONGs de relevância internacional. Primeiramente, as organizações pregavam pelo meio-ambiente como um todo, mas, com o decorrer dos anos, a causa foi indo para o efeito que a produção industrial tinha no meio-ambiente.

 

 

A sustentabilidade virou assunto-chave a partir de 1987, quando o World Comisssion on Economic Development (WCED) popularizou o termo Desenvolvimento Sustentável. Assim, na comissão, ficou definido que ele era: “o desenvolvimento que reúne as necessidades do presente, sem comprometer a habilidade das gerações futuras”.

 

 De favor à necessidade das empresas

No começo, a responsabilidade social era vista, em muitos casos, apenas como um favor que os empresários e as pessoas faziam para a sociedade. Uma espécie de filantropia. Porém, com o passar dos anos, ser uma pessoa ou empresa com responsabilidade social se tornou uma questão primordial para ter parceiros ou amigos. 

Então, em novembro de 2017, a Revista Época divulgou uma pesquisa da consultoria Edelman Earned Brand. Nela, 56% dos brasileiros diziam consumir ou boicotar marcas de acordo com o posicionamento delas diante de questões sociais relevantes. 

Em 2019, a Revista Istoé mostrou outra pesquisa que demonstra como a responsabilidade social vem virando questão obrigatória para as empresas. Em parceria com Bridge Research, a Samsung Brasil descobriu que 85% dos brasileiros creem ser fundamental que marcas abordem questões de diversidade de gênero na sua comunicação.

Na mesma pesquisa, 80% disseram que uma comunicação com diversidade demonstra que as marcas respeitam as pessoas e suas diferenças. Assim, podemos constatar que responsabilidade social virou questão obrigatória para as empresas.

 

RSI (Responsabilidade Social Individual)

 

O debate sobre Responsabilidade Social Individual apareceu no Workshop for Civic Initiatives Foundation, na Bulgária. Lá, definiram responsabilidade social individual como: “a responsabilidade que todo indivíduo tem de agir de forma a preservar o bem-estar da sua comunidade”.

 

5 exemplos de RSI (Responsabilidade Social Individual)

Então, como já dissemos, a responsabilidades social também está ligada às nossas ações individuais. Por isso, segue 5 exemplos de como ser responsável socialmente:

1-) Voluntariado

A filantropia e o voluntariado são os meios mais antigos de responsabilidade social. Neles, além de fazer o bem ao próximo e ajudar a sua comunidade, você também pode ajudar a si mesmo.

Fizemos um blogpost especial com 5 motivos para você fazer trabalho voluntário.

Acredite: Fazer o bem faz bem!

 

2-) Doações

As doações também são um meio de ajudar a sua comunidade e ter responsabilidade social. Sempre temos aquela peça de roupa, cadeira, brinquedo ou qualquer outro objeto que fica jogado no fundo da sala, sem nem ser notado mais: Por que não dar para alguém que precise daquilo?

 

Responsabilidade social

 

Na Gerando Falcões, temos o nosso Bazar Gerando Falcões, um projeto que recebe doações e vende os produtos com até 60% de desconto. Assim, queremos ser autossustentáveis e gerar mais renda para os nossos projetos sociais, como a bolsa digital.

 

3-) Recicle o seu lixo

Já falamos sobre doação, que é um tipo de reciclagem. Entretanto, temos que prezar pelo meio-ambiente. Acredite: o simples fato de separar o lixo ajuda a desafogar os aterros sanitários e ainda gera renda para pessoas que trabalham com isso.

 

4-) Plante uma árvore

Outra ação simples, mas que ajuda muito o nosso planeta, é o simples fato de plantar uma árvore em casa. Uma única árvore na sua casa pode ter um efeito imenso para o meio-ambiente e para a sociedade.

Uma única árvore pode durar cerca de 4.800 anos. Além disso, em apenas um ano, ela inala cerca de 12kg de CO2 e exala oxigênio que mantém uma família de até 4 pessoas respirando por 12 meses.

 

5-) Deixe o carro na garagem de vez em quando

Mais uma ação simples, mas praticada por poucas pessoas. Os automóveis são responsáveis por 97% da emissão de CO (Monóxido de Carbono) nas grandes cidades. O Monóxido de Carbono é tóxico, e pode causar até reações no sistema nervoso central.

Em cidades europeias, como Lisboa (Portugal) e Amsterdã (Holanda), já há áreas onde os veículos não podem circular. No Brasil, a prefeitura de São Paulo deixa a Avenida Paulista sem a circulação de carros aos domingos. Pesquisas apontam que os carros ocupam 25% do espaço urbano das grandes cidades.

ong

Então: Qual vai ser o seu primeiro ato de responsabilidade social depois de ler nosso post?

Vai plantar uma árvore, deixar o carro na garagem ou encher o saco do seu chefe para que a empresa despeje menos resíduos no rio?

 

Conte pra gente nos comentários!

ONG 6

 

Comentários